Próximas reuniões dos diversos grupos:

AS ACTIVIDADES DOS GRUPOS DE LEITURA ESTÃO SUSPENSAS ATÉ SEREM LEVANTADAS AS RESTRIÇÕES DE REUNIÃO

São João de Deus (reuniões na sede da AAPTCP, rua Vila de Catió, lt. 397-6º esqº, Olivais-Sul, Lisboa, 21:00h)  
Este grupo iniciou a leitura da versão portuguesa da obra de Claude Tresmontant, «Tudo o que sobre converge – introdução ao pensamento de Teilhard de Chardin».  

Campo Grande: Centro Paroquial (20:30h)  
Este grupo terminou a leitura de «O Meio Divino», de Teilhard de Chardin, tendo iniciado em 20.05 a do ensaio  intitulado «O Meu Universo», publicado no tomo 9, «Ciência e Cristo». É o segundo texto que Teilhard escreve com este título – o primeiro foi escrito em 1918, incluído no tomo 12, «Escritos do tempo da guerra», de que aquele é um desenvolvimento. É um texto extenso, composto em 4 partes, ao longo das quais se desenvolvem capítulos como “União Criadora”, “A Animação do Mundo pelo Cristo Universal”, “A Conquista do Mundo”, “O Meio Místico”, “A História da Evolução do Mundo – passado, futuro”. A propósito deste texto, escreveu o Pe. Gustave Martelet (teólogo francês com extensa obra sobre Teilhard), na sua obra «T.C., prophète d’un Christ toujours plus grand», o seguinte: «Explicitando, à sua maneira, as prerrogativas de Cristo no Universo, Teilhard afirma simplesmente o poder cósmico de Cristo, ou seja, esse super-poder que se encontra ainda oculto e que Lhe permitirá, no final, fazer do Universo o manto da sua Glória».

Comentário à reunião anterior (18.02.2020):    Do II capítulo, de «O Meu Universo», RELIGIÃO. O CRISTO UNIVERSAL, leu-se a alínea C. A Animação do Mundo pelo Cristo Universal. Nesta página e meia encontra-se, no fundo, toda a visão de Teilhard de Chardin quanto à Incarnação. Fala-nos ele ali do processo evolutivo que antecedeu e preparou o desabrochar da Incarnação de Jesus Cristo, mas no sentido em que nessa preparação era já o próprio Verbo quem actuava e estava presente. Assim, pode ler-se que A Incarnação do Verbo foi infinitamente mortificante e dolorosa – até ao ponto de ser simbolizada pela cruz, com isso querendo dizer que o Cristo-Homem veio dar todo o sentido e valor aos «labores» da humanidade, desde os do homem primitivo até aos dos mais espiritualizados do momento histórico da sua vinda, ou seja, de toda a humanidade passada, presente e futura, labores esses que surgem como necessários para que o Homem seja parte da construção do Reino de Deus e da vida Divina. Só assim se entende o admirável hino à lenta mas amorosa incarnação do Verbo que Teilhard tece e que remata com esta frase gloriosa: Quando o Cristo apareceu nos braços de Maria, acabava de soerguer o Mundo.

Rodízio:  Casa de Exercícios de Sto. Inácio (19.00h)  
Este grupo terminou a leitura (em francês) do ensaio de Teilhard, de 1955, intitulado «Le Christique», incluído no Tomo XIII das Obras Completas. É o último escrito de Teilhard, considerado o  seu testamento espiritual. Entretanto, fez a leitura (em francês) do ensaio de 1951 (Paris), intitulado «Un seuil mental sous nos pas: du Cosmos à la Cosmogenèse», incluído no Tomo VII das Obras Completas, que terminou a 27.07. Na última reunião concluiu a leitura (em francês) do ensaio de Teilhard «Esquisse d’une dialectique de l’esprit”, de 1946, que constitui uma auto-apresentação da sua apologética, baseada na sua visão cristológica da criação do universo. Este texto vem citado na pág. 66 do livro “Em Outras Palavras”, com uma nota do autor da colectânea, Jean-Pierre Demoulin, em que nos diz que nele “Teilhard explicou, com uma clareza surpreendente, os diferentes procedimentos dessa apologética” (ver nota abaixo do grupo Brotéria). Na passada reunião, de 16.01.2020, iniciou a leitura da versão portuguesa da obra de Claude Tresmontant, «Tudo o que sobre converge – introdução ao pensamento de Teilhard de Chardin». 

Academia das Ciências de Lisboa: Brotéria (17:00h)  
Este grupo passou a reunir nas novas instalações da BROTÉRIA, (rua do Grémio Lusitano, 3, ao Bairro Alto, Lisboa). Ali continua a leitura que tem tem estado a fazer da versão portuguesa de «Je m’Explique», colectânea organizada por Jean-Pierre Demoulin, nos anos 60, com a intenção de proporcionar uma panorâmica geral e sistematizada do pensamento místico e filosófico de Teilhard de Chardin. A versão em português que tem sido utilizada é a da editora  Martins Fontes, de São Paulo, Brasil, 2006, cujo título é «Em Outras Palavras».

Porto: CREU (15:00h)   
Este grupo, depois de terminar a leitura do ensaio de Teilhard, de 1955, intitulado «O Crístico», incluido no Tomo XIII das Obras Completas, fez a do ensaio «O que  o mundo espera neste momento da Igreja de Deus», escrito em Nova Iorque em 1952 e incluído no Tomo X das Obras Completas. Entretanto leu o ensaio de 1921, intitulado «Ciência e Cristo ou Análise e Síntese» e no remate deste ensaio, retivemos a frase/chave de Teilhard, que, de certo modo, traduz o sentido de todo o labor da sua vida de padre e cientista: «É inútil opor a Ciência e o Cristo ou separá-los como dois domínios estranhos um ao outro. A Ciência, sozinha, não pode descobrir a Cristo – mas o Cristo sacia os anseio que nascem em nosso coração na Escola da Ciência». O teólogo Gérard-Henry Baudry, na sua obra de 1971 «Ce que croyait Teilhard» (Maison Mame, Tours), fala-nos da construção da visão de Teilhard sobre este assunto, afirmando (pág. 94, trad.): «Teilhard não passou da Ciência à Fé, mas da Fé à Ciência. É depois disso que ele estabelecerá um vai-e-vem, um diálogo permanente entre a Ciência e a Fé. Isto é de tal maneira verdade que não é a evolução que permite compreender a Incarnação, mas ao contrário, é a Incarnação que confere o seu sentido à evolução». Na próxima reunião continuará a abordagem do ensaio «Cristologia e Evolução», de Teilhard de Chardin, redigido em Tien-Tsin em 1933. Trata-se dum texto muito bem sistematizado, que permite recapitular a sua grande visão crística.